Posts

44% das empresas no Ceará inovaram na crise

Pesquisa do Sebrae mostra que os pequenos negócios recorreram à ampliação de produtos e serviços para sobreviverem

29.10.20 - 09H56 Por camillalima
Érika agora está desenvolvendo um aplicativo junto ao Sebrae para que os clientes tenham seus produtos também na palma da mão

Em meio à pandemia, o esforço para manter as portas abertas têm sido grande, principalmente para os pequenos negócios. Foi preciso jogo de cintura e muita criatividade para driblar os percalços e continuar faturando. E criatividade, como se sabe, é o que não falta para o Cearense. O delivery, por exemplo, foi a saída pela tangente para muita gente. Pelo menos é o que mostra a 8ª edição da pesquisa Impacto da Pandemia de coronavírus, realizado pelo Sebrae. Segundo o levantamento 44% dos pequenos negócios no Ceará, encararam a crise pandêmica  com o lançamento  e/ou venda de novos produtos e serviços para sobreviverem.

Apostar em novos produtos e serviços também foi a cartada para esses pequenos empreendedores.  Érika Sales, 31, é dona da Reboot Comics, livraria especializada na venda de quadrinhos e outras nerdices, que já tinha presença digital antes mesmo da pandemia. Para ela, a adaptação foi fácil, mas não o suficiente. Foi preciso fazer novas investidas: “Nós passamos a utilizar o Market place da Amazon pra tentar driblar a diminuição das vendas.  E tivemos um retorno positivo, fazendo com que transformássemos essa plataforma numa opção efetiva, mesmo pós quarentena”, conta. 

“Os pequenos negócios que conseguiram se manter funcionando foram aqueles que reagiram mais rápido às mudanças impostas pelo isolamento social, como as empresas que mantiveram o relacionamento com seus clientes e sua comercialização utilizando o sistema de delivery”, afirma Alci Porto, diretor técnico do Sebrae. 

Diante do contexto novos hábitos surgiram, assim as empresas que conseguiram traduzir isso em inovação mantiveram faturamento nesse período. “Outro fator crucial para driblar a situação foi ampliar sua presença digital, explorando as diversas ferramentas de divulgação do negócio em canais tais como anúncios, sites, lojas virtuais, conseguindo alcançar seu público consumidor mesmo de maneira remota”. Para o diretor técnico, criatividade foi certamente uma grande aliada na busca de soluções alternativas, não só de comercialização, mas também na diversificação das atividades e até no redirecionamento do segmento de atuação da empresa.

Os números também mostram que 67% dos empreendimentos sofreram mudanças em razão da crise e 65% redução do orçamento. Ainda de acordo com o estudo, 47% dos entrevistados não conseguiram empréstimos no Ceará. Alci aponta alguns fatores que contribuíram para a negativa de crédito: 1) restrições no CNPJ da empresa ou no CPF dos proprietários; 2) ausência de informações sobre o histórico financeiro das empresas; 3) incapacidade das empresas em apresentar as garantias exigidas pelas instituições financeiras. “Esse é um momento de grandes desafios onde o empresário precisa exercitar a resiliência e a sua capacidade de adaptação do negócio bem como aprimorar o seu relacionamento com clientes, fornecedores e parceiros”.

Mais da metade dos pesquisados (59%) é composta por microempreendedores Individuais (MEI), seguida de 38% de microempresas (faturamento bruto anual de até R$ 360 mil) e 3% de pequeno porte (faturamento bruto anual entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões).

O setor mais robusto é o comércio (47%). Depois dele, aparecem serviços (44%), indústria (4%), construção civil (3%) e agropecuária (2%). Os negócios com menos de um ano são minoria, totalizando 10% do bolo. Os com entre um e dois, sobem para 15%. Já de dois a cinco anos, saltam para 23%. O tempo de cinco a 10 anos e mais de uma década correspondem a 26%, cada.

O perfil desses empreendedores é formado por mais homens (65%), que se declararam negros (57%) e com ensino superior incompleto ou mais (60%). A maior faixa etária é de 36 a 55 anos (68%).Ao todo, 6.033 empreededores foram ouvidos em todo o Brasil. Destes, 151 no Estado. A coleta de informações ocorreu entre 28 de setembro a 1º de outubro. A margem de erro é de 1% para mais ou para menos.

Participe do curso GRATUITO Empreender

O projeto EMPREENDER 2020 traz um curso de extensão, totalmente gratuito, para quem deseja alavancar seu negócio ou iniciar na arte de empreender. Com o tema “Empreender em tempos de crise: Gestão e Liderança”, o curso tem certificação pela UECE e formato de Ensino à Distância (EAD). Inscreva-se aqui 

Notícias Relacionadas